Eleições 2020: Cada atleta escolheu por qual time vai entrar na disputa, quem escolheu mal provavelmente vai ficar na reserva! - Metáforas.com!

(Crônicas do Grande)

Por Alexandre Meireles 06/04/2020 - 15:34 hs

Capítulo 1.

É uma das mais lindas competições de uma nação chamado Brasil.

No Pais do futebol não há espaço para jogador amador, no mínimo tem que saber a malandragem típica dos nossos gramados. Por exemplo, jogador que quer ser titular precisa saber escolher o time que vai atuar.

Pense comigo! Um atleta de rendimento mediano contratado por um clube como o Flamengo, provavelmente jogará no banco de reservas, já o mesmo jogado em um time como o Remo ou Paysandu absolutamente será titular.

Pois bem... Há jogadores que preferem ser reservas no Flamengo do que ser titular em um time de status inferior, mas também, existem aqueles que são tardos em fazer suas escolhas ou escolhem mal; ainda tem aqueles que se acham o Neymar, no entanto não têm bola pra ser titular nem na Tuna Luso Brasileira (Nada contra a agremiação).

Mas na contramão dos iludidos existem jogadores que tem vaga em qualquer clube, porém preferem montar um clube para si achando que podem jogar sozinhos contra onze jogadores e ainda ganhar o jogo, a esses vamos chamá-los de super herói.

Há um terceiro jogador. Esse, sim, sabe que não tem bola para jogar em time nenhum, porém, não encerra a carreira, estar lá todos anos, entra campeonato e sai campeonato e a cada ano passa o crescimento vem igual “rabo de cavalo”.

 

Trocando em miúdos

Esse primeiro momento das eleições 2020 que encerrou no sábado, 04, pode ter determinado quem são os futuros vereadores e prefeitos nas eleições Municipais.

Mudanças nas regras, fizeram com que pré-candidatos recorressem aos cronistas políticos, pois as eleições deste ano proíbem coligações na proporcional e isso faz toda a diferença no processo. Lembrando que os famosos “espoca urnas” não serão beneficiados nesse modelo.

A ideia para os pretensos candidatos seria basear-se na popularidade e serviço prestado à sociedade de cada aspirante, para avaliar no “chutômetro” a quantidade de votos que cada um vai ter, para poder escolher a sigla para se filiar.

Vamos conjecturar? Em determinado partido, que aqui vamos chamar de PG (Partido do Grande), no formato passado, por exemplo, coligaria na proporcional com outros cinco partidos, nesse formato o coeficiente girava em torno dessa coligação, esse formato foi abolido para as eleições 2020. Este ano, caso haja eleições, a disputa é direta entre correligionários de uma mesma sigla.

Neste primeiro capítulo vamos nos manter na superficialidade, pois apenas dia 16 será publicado de forma oficial a lista do troca-troca de partido. Farei a analise sigla à sigla e veremos quem mexeu errado no “xadrez”, mas de início já posso adiantar que tem muita gente bravo em ver que as possibilidade que estavam perto, agora já estão um pouco distante por consequência da escolha equivocada.